quinta-feira, 24 de junho de 2010


Mude -clarice lispector


"Mude.

Mas comece devagar, porque a direção é mais importante que a velocidade.

Sente-se em outra cadeira, no outro lado da mesa.

Mais tarde, mude de mesa.

Quando sair, procure andar pelo outro lado da rua.

Depois, mude de caminho, ande por outras ruas, calmamente, observando com atenção os lugares por onde você passa.

Tome outros ônibus.

Mude por uns tempos o estilo das roupas.

Dê os teus sapatos velhos.

Procure andar descalço alguns dias.

Tire uma tarde inteira pra passear livremente na praia, ou no parque, e ouvir o canto dos passarinhos.

Veja o mundo de outras perspectivas.

Abra e feche as gavetas e portas com a mão esquerda.

Durma do outro lado da cama... depois, procure dormir em outras camas.

Assista a outros programas de TV, compre outros jornais... leia outros livros.

Viva outros romances.

Não faça do hábito um estilo de vida.

Ame a novidade.

Durma mais tarde.

Durma mais cedo.

Aprenda uma palavra nova por dia numa outra língua.

Corrija a postura.

Coma um pouco menos, escolha comidas diferentes, novos temperos, novas cores, novas delícias.

Tente o novo todo dia, o novo lado, o novo método, o novo sabor, o novo jeito, o novo prazer, o novo amor, a nova vida.

Tente.

Busque novos amigos.

Tente novos amores.

Faça novas relações.

Almoce em outros locais, vá a outros restaurantes, tome outro tipo de bebida, compre pão em outra padaria.

Almoce mais cedo, jante mais tarde ou vice-versa.

Escolha outro mercado... outra marca de sabonete, outro creme dental... tome banho em novos horários.

Use canetas de outras cores

Vá passear em outros lugares.

Ame muito, cada vez mais, de modos diferentes.

Troque de bolsa, de carteira, de malas, troque de carro, compre novos óculos, escrevas outras poesias.

Jogue fora os velhos relógios, quebre delicadamente esses horrorosos despertadores.

Abra conta em outro banco.

Vá a outros cinemas, outros cabeleireiros, outros teatros, visite novos museus.

Mude.

Lembre-se que a vida é uma só.

E pense seriamente em arrumar um novo emprego, uma nova ocupação, um trabalho mais light, mais prazeroso, mais digno, mais humano.

Se você não encontrar razões para ser livre, invente-as.

Seja criativo.

E aproveite para fazer uma viagem despretensiosa, longa, se possível sem destino. Experimente coisas novas.

Troque novamente.

Mude, de novo.

Experimente outra vez.

Você certamente conhecerá coisas melhores e coisas piores do que as já conhecidas.

Mas não é isso o que importa.

O mais importante é a mudança, o movimento, o dinamismo, a energia.


Só o que está morto não muda!"

segunda-feira, 21 de junho de 2010


No Inverno - Charles H. Spurgeon

“Tu estabeleceste todos os limites da terra; verão e inverno, tu os fizeste”. Sal. 74:17

Ó minha alma, faz por começar este inverno com teu Deus.

O frio da neve e os ventos cortantes nos fazem lembrar que Ele até ao dia de hoje mantém rodo o Seu concerto connosco também, noite após dia sem parar.

Assegura o teu coração que Ele manterá todo o Seu concerto que fez contigo em Cristo também – é o mesmo Deus.

Ele é sempre fiel à palavra que fez sair a teu respeito nesta revolucionária sociedade na qual nos encontramos, dentro do seu mal-estar nauseabundo.

É neste mundo poluído que Ele prometeu estar contigo.

Se te custa aqui estar, mais custa a Ele, sendo Ele quem o criou. Ele não será infiel às Suas próprias promessas, as que fez em Cristo Jesus.

Vindo cá ter contigo faz com que recorde com dor toda a Sua criação, agora emancipada e viciada no pecado.

O inverno de alma nunca pode ser uma coisa leve, feita para nos agradar. É de esperar que seja razão para te sentires magoado e esfriado.

Mas existe um pleno conforto: foi o próprio Deus quem criou o inverno.Ele envia aquelas brisas cortantes de adversidade para que ansiemos pelos rebentos da primavera, rebentos de expectativa.

Ele envia a geada e a neve como cinzas sobre a antes verdejante campina. Ele envia seu gelo congelante para que nem os rios façam correr suas águas poluídas pelo decorrer de todo este mundo mais.

Ele tudo faz, pois é Ele, o Próprio dono e Rei de todo o inverno – também. Ele gere e governa todas as esferas da neve e é por essa razão que não podes murmurar mais.

Todas as perdas, todas as tuas cruzes, pobrezas e doenças, muitos e diversos males em ocasiões pouco propícias, são sempre enviadas com Seu aval e virão sempre até nós para nos testar, para que estejamos alertados à queda e à exaltação.

Pode tudo ser um mero desígnio sabiamente escolhido.

A neve mata e extermina insectos prejudiciais, elimina bactérias nocivas que amarguram toda a tua alma quando entram em ti.

É por essa razão, maioritariamente, que tua alma é sempre doce, pois todas as bactérias da amargura pereceram sob o frio do Seu gelo que mandou.

Logo, a primavera despertará um novo sentido de viver e te alegrarás em teu Deus sem pensar mais em ti do que aquilo que podes e deves, deixando essa tarefa para Ele, para quem sabe pensar em ti noite e dia, enquanto dormes e enquanto estás acordado e despertado.

Permite que cada problema te faça aproximar mais de quem te fez homem ou mulher – não temas mais.

Vistamo-nos de nossas roupas especiais de inverno, de fé e amor sem fim, da lã de carneiros e prossigamos sabendo que em breve tudo isto terminará – em bem!

Que as Suas promessas escritas nos sirvam de agasalhos quentes. Nada nos faltará, por certo. Vamos então todos segurar o arado que está em nossa próprias mãos ainda, prossigamos com toda a obra que nos foi diligentemente destinada.

Se falharmos em algo, todo o resto do corpo sofrerá dano também.

Deixa de lado essa preguiça de inverno, de medo do frio e prossegue para todo o resta da vida que pode ainda levar para uma que nunca mais termina.

Se não trabalhares agora, teu verão será de fome, pois não terás o que colher.

Levanta-te agora e anda, em nome de Jesus de Nazaré.

quinta-feira, 17 de junho de 2010



DEUS ESTÁ SE MOVENDO SOBRE A TERRA!


DEUS ESTÁ SE MOVENDO SOBRE A TERRA


“Estes são os quatro ventos do céu, saindo sobre a Terra.”(Zacarias 6.1-8)


Há um grande mover sobre a Terra. Agitações, tribulações, fomes, terrores e guerras. E expectativas que jamais se satisfazem. Pesa sobre cada habitante da Terra um “choque de perplexidade!”Esse “choque” é profético.


“Outra vez levantei os meus olhos e olhei, e vi, quatro carros que saiam dos montes...” (Zac 6.1).


Os profetas jamais se calaram, ainda que a prisão, o poço, a morte os aguardasse, mas avisaram: “Assim diz o Senhor...”Há uma consciência escatológica atordoando as pessoas, famílias, nações e o mundo.


Certezas iminentes trazidas pelos “Ventos” do céu, soprando inexoravelmente.


Os grandes “sopros” da guerra, da morte, da fome e da peste agitam as gentes. Abalam as estruturas da economia, o poder político, toda sorte de técnicas e conhecimentos vão se desfazendo como poeira, sumindo no vendaval! - “Então, perguntei ao Anjo: O que é isto Senhor?”-


“São os quatro ventos do céu, que saem de onde estavam, perante o Senhor de toda a Terra.” (Zac 6.4-5)


Cada uma daquelas “forças espirituais” forcejam sobre o planeta, assumindo direções ao Norte, ao Sul, ao Leste e Oeste, espalhando-se por todos os quadrantes.


O Deus Soberano tem em Suas mãos total controle da História.


Nem um fio de cabelo de nossa cabeça, ou mesmo uma pequenina pena de um pássaro cai, sem o peso aprobatório de Deus! (Mateus 10.29-30)


As coisas aparentemente “mais ruins” que nos sucedam inscrevem-se no conhecimento e sabedoria de Deus.


Vale é saber que Ele sabe e faz.Esse grande mover de Deus proclama a sua Justiça.


Anuncia a todos os habitantes da Terra a iminência dos seus atos de juízo. Ele nunca nos deixa à mercê da hora.


Deus criou o homem e o abençoou. E logo Ele viu a maldade se multiplicando.


Não valia a pena contender. “A Terra está cheia de violência dos homens, e eis que os farei perecer juntamente com a Terra” (Gênesis 6.13).


Mas Ele disse também: “Entra na arca, tu e toda a tua casa...” (Gênesis 5.1; 6.3-5 e 7.1).


Deus está se movendo sobre a terra proclamando Julgamento.


A Justiça, para ser justa, precisa acontecer aplicada. Sodoma e Gomorra pereceram por não atenderem às conclamações de Deus.


Não havia justo. Eles não se importavam com isso.


Justiça era um conceito relativo aplicado de acordo com a satisfação,interesses e prazeres determinados pela mente de cada um (Gen 18.33).


Sodoma perdera a consciência de justiça, de juízo - e do próprio Deus!Mas há o Mover das Compaixões Divinas!


O coração de Deus é puro amor e perdão. Nínive foi salva por causa do amor de Deus (Jon 3.5). “Ide, andai por toda a Terra. E andavam pela Terra” (Zac 6.7).


“Vem dos quatro ventos, ó Espírito, e sopra sobre estes mortos, para que vivam!” (Ezequiel 37.9).


Tempos maravilhosos. A Era Tremenda do Espírito Santo chegou.


A chuva está caindo.


O Vento, soprando. A glória de Deus cobrindo sua Igreja, derramando provisões, consolações e vida ao Seu povo ao redor da Terra.


Deus está se movendo, por mim, por você, e por todos nós!


sábado, 12 de junho de 2010


Calma na hora da tempestade





"Eis que Deus é a minha salvação; eu confiarei e não temerei porque o Senhor, sim o Senhor é a minha força e o meu cântico; e se tornou a minha salvação" (Isaías 12:2).

Uma senhora idosa saiu de Buffalo, em um navio, para visitar uma filha que morava em Cleveland. Durante o percurso, uma forte tempestade os atingiu e muitos passageiros, temendo a morte, se reuniram em oração.
Apenas a senhora idosa parecia indiferente à situação quando assentou-se para orar junto aos demais.
Depois que a tempestade passou, alguns dos passageiros estavam ávidos por saber o segredo de sua tranquilidade.
Eles se colocaram ao redor dela e lhe perguntaram a razão de tão grande calma. "Bem, meus amigos queridos", ela respondeu, "É muito simples. Eu tenho duas filhas. Uma está morta e mora no céu. A outra vive em Cleveland.
Quando a tempestade surgiu, eu me perguntei qual delas eu poderia visitar primeiro -- a de Cleveland ou a que está no céu. E eu acabei deixando isto por conta do Senhor.Eu estaria feliz em ver todas as duas".
Até que ponto temos mantido a tranquilidade diante das circunstâncias difíceis que enfrentamos neste mundo?
Temos dominado a ansiedade, aguardando com alegria e paciência as orientações do Senhor, aceitando
Suas decisões como o que de melhor poderia acontecer em nossas vidas ou ainda nos mostramos apressados, buscando nossa própria vontade, mesmo que venhamos a nos arrepender por atitudes equivocadas?
Temos sido cristãos apenas da boca para fora ou o nosso coração confia realmente em Cristo como Senhor de nossas vidas?
Como filhos de Deus, temos obedecido à Sua Palavra ou a buscamos apenas quando estamos em apuros e precisando de um socorro urgente?
Quando o Senhor está em nosso coração, experimentamos calma nas horas boas e más, na tranquilidade de um dia ensolarado e sob as fortes intempéries da vida, nos momentos de abundância e também de grande carências.
O que faz a diferença é Deus.
Nada mais importa se eu ponho minha confiança nEle.